(51) 3517-2003  |    (51) 99600-2233   |      contato@endocrinologistamilene.med.br   |   

Artigos

Quinta, 17 Outubro 2019 22:49

Quantos passos você dá por dia?

Você já ouviu falar em pedômetros? Pedômetros são aparelhos que medem o número de passos por dia, sendo usados por pesquisadores e profissionais da saúde como forma de estimar de forma simples o nível de atividade física de um indivíduo. Com base nas evidências atualmente disponíveis, os pontos de corte tem sido: Recomenda-se como meta 10.000 passos por dia com vistas à manutenção da saúde para adultos saudáveis, o que corresponde à aproximadamente 1 hora de atividade física por dia, que pode ser contabilizada cumulativamente. De acordo com uma revisão que incluiu 26 estudos (8 ensaios clínicos randomizados e 18 estudos observacionais), o uso de pedômetros pelos pacientes aumentou seu nível de atividade física em quase 30%, com redução significativa do IMC e da pressão sistólica em relação aos indivíduos que apenas receberam orientação sobre atividade física. Além disso, aqueles que receberam prescrição de metas de passos por dia mais frequentemente aumentaram seus níveis de atividades por dia em relação àqueles que apenas foram orientados a usar o pedômetro. Obviamente o uso de pedômetro não é obrigatório para classificar ou monitorar o nível de atividade física de um indivíduo mas pode ser uma estratégia interessante como forma de motivar os pacientes a movimentar-se mais, especialmente se orientado metas a serem obtidas!! Referências How Many Steps/Day Are Enough? Sports Medicine, January 2004; 34(1): 1-8 Using Pedometers to Increase Physical Activity and…
Compartilhe nas redes sociais:
O ganho de peso é um efeito adverso que pode ocorrer com o uso de medicações para tratamento de problemas psiquiátricos, destacando-se a classe dos antidepressivos e antipsicóticos. Alguns antidepressivos podem causar desde um discreto aumento do peso a um ganho superior a 10% do peso inicial em indivíduos suscetíveis. Vale ressaltar que este efeito indesejável sobre o peso não está relacionado à efetividade do antidepressivo, podendo ocorrer com diferentes doses e também em indivíduos em uso destas medicações para tratamento de outros transtornos, como dores neuropáticas e distúrbios de ansiedade. São vários os mecanismos responsáveis pelo ganho de peso, sendo o principal o aumento do apetite e consequentemente uma maior ingestão de alimentos mais palatáveis, isto é, aqueles com maior teor de açúcar e gordura. Alguns antidepressivos causam também uma sensação de boca seca e consequentemente maior ingestão de líquidos, especialmente bebidas açucaradas, associadas a maior adiposidade visceral (obesidade abdominal), piora do perfil lipídico e maior resistência insulínica. Por fim, uma redução do metabolismo tem sido descrita com o uso dos tricíclicos, uma classe mais antiga de antidepressivos. Apesar de todos estes mecanismos contribuírem para o ganho de peso, o efeito exato do antidepressivo sobre o peso é difícil de quantificar uma vez que o distúrbio psiquiátrico em si pode causar alterações no apetite. Além disso, indivíduos com problemas psiquiátricos podem fazer menos exercícios e serem menos ativos nas…
Compartilhe nas redes sociais:
A menopausa compreende a fase da vida da mulher em que ocorre ausência de ciclos menstruais por 12 meses consecutivos, ocorrendo naturalmente por volta dos 51 anos de idade. A terapia de reposição hormonal (TRH) está indicada para mulheres com menos de 60 anos ou que estejam na menopausa há menos de 10 anos e que apresentem sintomas vasomotores significativos (calorões) e que não apresentem contra-indicações ao tratamento. Preocupações com o ganho de peso com a TRH é uma razão comum para as mulheres não quererem usá-la. Aproximadamente 20% das mulheres abandonam o tratamento por atribuírem o seu ganho de peso à TRH. De acordo com um grande estudo realizado em mulheres na menopausa, aquelas que receberam TRH apresentaram menor perda de massa muscular e um menor aumento da circunferência abdominal em relação àquelas que não usaram TRH. O ganho de peso frequentemente referido nesta fase, sobretudo a maior adiposidade na região do abdome, ocorre em virtude da redução dos níveis de estrogênio circulantes. Além disso, uma redução da taxa metabólica basal (que corresponde às necessidades calóricas diárias) ocorre em paralelo à redução da massa muscular que se torna mais pronunciada após os 50 anos. Conforme dados da literatura, as mulheres que entram na menopausa tendem a ganhar em média 3 kg de gordura e 6 cm de circunferência abdominal, com uma redução variável da massa muscular, alterações que predispõem…
Compartilhe nas redes sociais:
Quarta, 03 Julho 2019 20:30

Whey protein pode causar acne?

Suplementos à base de proteínas, especialmente os de origem animal, são muito populares entre atletas amadores e indivíduos que visam melhora da performance muscular. O whey protein consiste na proteína do soro do leite que pode ser usado como complemento à dieta para adequar as necessidades proteicas diárias do indivíduo. Vale ressaltar que o seu uso não é mandatório para melhora da composição corporal (ganho de massa muscular e perda de gordura). Especificamente em relação ao whey protein como causa de acne, será que esta informação procede? Estudos observacionais têm mostrado aumento do risco de surgimento ou agravo da acne em consumidores de leite (mais do que 3 porções por semana). Estes estudos, entretanto, usaram recordatório de 24 horas para avaliar a ingestão alimentar, o que pode fazer com que mais indivíduos acometidos por acne lembrem do que comeram do que aqueles sem acometimento (um tipo de fator de confusão chamado viés de memória que pode interferir nos resultados). Ainda, estudos que avaliaram o uso de whey com o surgimento de acne mostraram uma relação temporal com o início da suplementação assim como melhora da acne após suspensão do suplemento. Uma das hipóteses para esta associação é que o consumo de leite desnatado e de whey protein está associado a maiores níveis de IGF1 (fator de crescimento semelhante à insulina) e de insulina, o que por sua vez estimula a…
Compartilhe nas redes sociais:
Sexta, 28 Junho 2019 07:33

Cafeína para perda de peso: funciona?

A busca por recursos para auxiliar na perda de peso tem crescido em paralelo à epidemia de obesidade. Muitos suplementos ditos “naturais” são vendidos com a promessa de acelerar o metabolismo e auxiliar na queima de gordura, sendo chamados de termogênicos. Dos suplementos vendidos para perda de peso, a cafeína é o item mais frequentemente encontrado, sendo vendida como cápsula ou à granel. A cafeína está presente naturalmente em grãos de café e no chá verde (principais fontes), sendo considerada a bebida estimulante mais consumida no mundo. Em relação a seus potenciais efeitos especificamente sobre a perda de peso, a cafeína atua, por diferentes mecanismos, sobre a ingestão alimentar e o gasto calórico. Através da inibição das fosfodiasterases, a cafeína ocasiona um aumento dos níveis de catecolaminas que induzirão lipólise (queima de gordura) no tecido adiposo, aumentando, portanto, a oxidação de gordura. Alguns estudos também demonstraram aumento da taxa metabólica de repouso, principal componente do gasto calórico, após o consumo de doses moderadas de cafeína. Ainda a cafeína pode suprimir a fome e aumentar a saciedade por estimular o sistema nervoso simpático (SNS). Mas qual o real impacto destas ações sobre a perda de peso? O aumento do gasto calórico descrito com a cafeína é discreto, tendo relevância clínica questionável para indução significativa de perda de peso. Além disso, este efeito sobre o metabolismo foi verificado, na grande maioria dos…
Compartilhe nas redes sociais:
Pagina 1 de 23

  R. Dona Laura, 333/ 906, Moinhos de Vento - Porto Alegre/ RS  |     (51) 3517-2003  |     (51) 99600-2233  |    contato@endocrinologistamilene.med.br

© 2019 Dra. Milene Moehlecke. Desenvolvido por Informatiza Soluções Empresariais em parceria com a Agência Digital Public