(51) 3517-2003  |    (51) 99600-2233   |      contato@endocrinologistamilene.med.br   |   

Dica da Semana

Sub-categorias

23-05-19

23-05-19 (0)

Mulheres tentando engravidar, gestantes e mulheres que estão amamentando não devem receber nenhuma medicação para perda de peso pelo risco de complicações para o bebê!

Ver itens ...
30-05-19

30-05-19 (0)

Quanto tempo o corpo precisa para se acostumar ao novo peso? Embora a medicina seja uma ciência de verdades transitórias, o que podemos afirmar até o momento, baseado nos estudos de até 6 anos de acompanhamento após a perda de peso inicial é que as alterações hormonais responsáveis pelo aumento do apetite e pela redução do gasto energético parecem persistir ao longo do tempo, sem adaptação após determinado período. Por isso, a continuidade das estratégias aprendidas para perda de peso são fundamentais para manutenção do novo peso!! 

Ver itens ...
06-06-19

06-06-19 (0)

A realização regular de qualquer tipo de exercício reduz o risco de desenvolvimento de hipertensão arterial assim como auxilia na redução da pressão em pacientes em tratamento para a doença. Para indivíduos ativos, existe uma redução de 30% no risco de desenvolver hipertensão arterial em relação aos sedentários. Ainda, a prática regular de atividade física é capaz de reduzir desfechos cardiovasculares, como infarto do miocárdio, independente da perda de peso!

Ver itens ...

07-07-2016

O hipertireoidismo (funcionamento exagerado da glândula tireoide) pode ser precipitado por uma série de fatores. Os mais comuns são: 1. Sexo feminino (a doença é 4 vezes mais comum em mulheres); 2. Tabagismo (o cigarro aumenta em 2 vezes o risco de hipertireoidismo); 3. Estresse psicológico importante (por exemplo, perda do cônjuge, de um filho, acidente de trânsito); 4. Medicações como amiodarona (usado em pacientes com arritmia) e interferon alfa (usado para tratamento da hepatite C).
Compartilhe nas redes sociais:

30-06-2016

O aleitamento materno está associado à redução no risco de diabetes melito tipo 2. O efeito protetor da amamentação sobre a redução de risco começa a partir de 6 meses de amamentação e aumenta conforme a duração da amamentação.
Compartilhe nas redes sociais:

24-06-2016

A ingestão regular de café não aumenta o risco de diabetes. Pelo contrário! Estudos observacionais têm mostrado menor risco de diabetes tipo 2 em indivíduos que ingerem 4 ou mais xícaras de café por dia em relação àqueles que ingerem menos de 2 xícaras por dia!
Compartilhe nas redes sociais:

17-06-2016

A prolactina é o hormônio responsável pela lactação. O aumento da prolactina (hiperprolactinemia) fora do período da gestação é um distúrbio hormonal comum, manifestando-se principalmente por alterações menstruais, infertilidade, redução da libido e saída de leite pela mama. A hiperprolactinemia pode estar associada a uma série de condições, sendo as mais comuns o uso de fármacos (contraceptivos orais, anti-hipertensivos, anti-depressivos), hipotireoidismo e tumor de hipófise (prolactinoma).
Compartilhe nas redes sociais:

10-06-2016

Nódulos na tireoide são bastante frequentes, sobretudo em mulheres, e tendem a ser mais comuns com o aumento da idade. Na grande maioria das vezes são lesões benignas que não necessitam cirurgia. As causas mais comuns incluem: tireoidite de Hashimoto, cistos e bócio multinodular.
Compartilhe nas redes sociais:

03-06-2016

A cessação do tabagismo em pacientes com diabetes é uma das medidas de maior impacto na redução de morte por doença coronariana e acidente vascular cerebral (AVC).
Compartilhe nas redes sociais:

27-05-2016

A maioria das fraturas ocorre em homens e mulheres com osteopenia ou baixa massa óssea. Abaixo, os principais fatores de risco para fratura, independente da massa óssea: 1. Idade avançada; 2. Fratura prévia com trauma mínimo; 3. Terapia crônica com corticoide; 4. Baixo peso (abaixo de 58 kg); 5. História familiar de fratura de quadril; 6. Tabagismo; 7. Consumo excessivo de bebidas alcoólicas.
Compartilhe nas redes sociais:

20-05-2016

Pacientes com diabetes devem ser vacinados anualmente para influenza (vírus da gripe). Pacientes com menos de 65 anos devem fazer vacina contra pneumococo e repeti-la uma vez após os 65 anos.
Compartilhe nas redes sociais:

13-05-2016

Pacientes portadoras de diabetes que planejam engravidar devem realizar avaliação para retinopatia e doença renal do diabetes antes da gestação pelo risco aumentado de piora dessas complicações durante a gestação.
Compartilhe nas redes sociais:

06-05-2016

O termo ANDROPAUSA refere-se à redução dos níveis de testosterona acompanhados de sintomas decorrentes da redução do hormônio, podendo ocorrer em 20 e 30% dos pacientes acima de 60 e 70 anos, respectivamente. A andropausa deve ser diferenciada da redução assintomática de testosterona que pode ocorrer com a idade, pois essa última condição, via de regra, não exige tratamento.
Compartilhe nas redes sociais:

29-04-2016

Em crianças com hipotireoidismo ainda não diagnosticado e tratado, os primeiros sinais da doença consistem em redução na velocidade de crescimento, baixa estatura e aumento do tamanho da tireoide (bócio).
Compartilhe nas redes sociais:

19-04-2016

A infertilidade devido à obesidade não é um problema exclusivo de mulheres!! Homens acima do peso podem apresentar redução no número, bem como na motilidade (movimentação) de espermatozoides, além de dificuldade de ereção. O tratamento principal, nesses casos, consiste na perda de peso e não na reposição hormonal, como muitos pacientes acreditam.
Compartilhe nas redes sociais:

12-04-2016

Mulheres com excesso de peso são menos propensas a engravidar, mesmo quando apresentam um fluxo menstrual regular. Conforme estudos atuais, a chance de uma mulher com excesso de peso engravidar em 1 ano após parar com o anticoncepcional é de 66%, comparada a 81% daquelas com peso normal.
Compartilhe nas redes sociais:

05-04-2016

Conforme o resultado de 46 estudos avaliados em conjunto (revisão sistemática) sobre o efeito da perda de peso em pacientes com hipertensão arterial, a redução de apenas 4 kg com dieta foi capaz de reduzir em 6 mmHg a pressão arterial sistólica ao final de um ano de acompanhamento!
Compartilhe nas redes sociais:

28-03-2016

Crianças que estão acima do peso podem ter um aumento discreto do TSH (hormônio que regula a tireoide) como consequência e não como causa para o excesso do peso. A perda de peso frequentemente leva à normalização do TSH sem necessidade de medicação.
Compartilhe nas redes sociais:

21-03-2016

Pacientes com hipertensão arterial apresentam o dobro do risco de desenvolverem diabetes melito tipo 2!
Compartilhe nas redes sociais:

14-03-2016

Em época de Páscoa, é importante sabermos dos benefícios do consumo do chocolate. Alimentos ricos em flavonoides, dentre eles o chocolate amargo, possuem propriedades vasodilatadoras, com redução significativa da pressão arterial. Embora de pequena magnitude, diversos estudos têm mostrado redução na incidência de infarto do miocárdio e de acidente vascular cerebral em consumidores regulares de flavonoides, incluindo o chocolate amargo.
Compartilhe nas redes sociais:

07-03-2016

Pico de massa óssea refere-se ao máximo de tecido ósseo obtido durante a vida. O pico é obtido, em média, dos 20 aos 30 anos, sendo que aproximadamente 70% é herdado geneticamente. Fatores como tabagismo, ingestão excessiva de bebida alcoólica, sedentarismo, uso crônico de corticoide e anticonvulsivantes, além de uma dieta pobre em cálcio e vitamina D, podem comprometer a aquisição de massa óssea nesse período, predispondo ao desenvolvimento de osteopenia/osteoporose posteriormente.
Compartilhe nas redes sociais:

04-03-2016

Estudo realizado em pacientes com diabetes melito tipo 2 avaliou o efeito de comer 2 ou 6 vezes por dia sobre o controle glicêmico e medidas antropométricas (peso, cintura e IMC). Surpreendentemente, aqueles pacientes que comiam apenas 2 vezes ao dia apresentaram melhora do diabetes, assim como maior perda de peso, menor circunferência abdominal e menor IMC. Portanto, pacientes com diabetes tipo 2 não precisam comer de 3/3 horas!!
Compartilhe nas redes sociais:

26-02-2016

Ingerir água antes ou durante as refeições não dificulta a digestão dos alimentos! Pelo contrário, a ingestão de água cerca de 30 minutos antes das principais refeições aumenta a sensação de saciedade, contribuindo para a menor ingestão alimentar e consequentemente menor ganho de peso!
Compartilhe nas redes sociais:
Pagina 10 de 12

  R. Dona Laura, 333/ 906, Moinhos de Vento - Porto Alegre/ RS  |     (51) 3517-2003  |     (51) 99600-2233  |    contato@endocrinologistamilene.med.br

© 2020 Dra. Milene Moehlecke. Desenvolvido por Informatiza Soluções Empresariais em parceria com a Agência Digital Public