(51) 3517-2003  |    (51) 99600-2233   |      contato@endocrinologistamilene.med.br   |   

Dica da Semana

Sub-categorias

23-05-19

23-05-19 (0)

Mulheres tentando engravidar, gestantes e mulheres que estão amamentando não devem receber nenhuma medicação para perda de peso pelo risco de complicações para o bebê!

Ver itens ...
30-05-19

30-05-19 (0)

Quanto tempo o corpo precisa para se acostumar ao novo peso? Embora a medicina seja uma ciência de verdades transitórias, o que podemos afirmar até o momento, baseado nos estudos de até 6 anos de acompanhamento após a perda de peso inicial é que as alterações hormonais responsáveis pelo aumento do apetite e pela redução do gasto energético parecem persistir ao longo do tempo, sem adaptação após determinado período. Por isso, a continuidade das estratégias aprendidas para perda de peso são fundamentais para manutenção do novo peso!! 

Ver itens ...
06-06-19

06-06-19 (0)

A realização regular de qualquer tipo de exercício reduz o risco de desenvolvimento de hipertensão arterial assim como auxilia na redução da pressão em pacientes em tratamento para a doença. Para indivíduos ativos, existe uma redução de 30% no risco de desenvolver hipertensão arterial em relação aos sedentários. Ainda, a prática regular de atividade física é capaz de reduzir desfechos cardiovasculares, como infarto do miocárdio, independente da perda de peso!

Ver itens ...

04-09-2019

Ingerir água durante a refeição não dilui o suco gástrico, não dilata o estômago e não atrapalha a absorção de nutrientes! Pelo contrário, ingerir água antes ou durante as refeições auxilia na redução da ingestão de alimentos pois aumenta a saciedade e, dessa forma, favorece a perda de peso em pacientes em processo de emagrecimento.
Compartilhe nas redes sociais:

28-08-2019

Para ganho de massa muscular são necessários alguns pré-requisitos: 1. Dieta com quantidade apropriada de proteína (não em excesso), fracionada ao longo do dia; 2. Exercício físico resistido (musculação, por exemplo); 3. Ingestão controlada de bebidas alcoólicas; 4. Uma boa noite de sono!
Compartilhe nas redes sociais:

21-08-2019

A cirurgia bariátrica é a intervenção mais efetiva no longo prazo para o tratamento de pacientes com obesidade grave, ou seja, índice de massa corporal maior ou igual a 40 kg/m², levando a uma perda média do excesso de peso de 31% em 3 anos. Entretanto, aproximadamente 10 a 20% dos pacientes apresentam recuperação significativa do peso após a cirurgia. Dos fatores implicados nesta recuperação do peso, a falta de adesão a uma alimentação saudável parece ser o fator mais importante!! Por isso, manter um acompanhamento no longo prazo com uma equipe multidisciplinar é fundamental!
Compartilhe nas redes sociais:

14-08-2019

Não é a velocidade da perda de peso inicial que determina a maior ou menor chance de manutenção do peso no longo prazo e sim a adesão às mudanças instituídas na fase de perda de peso!
Compartilhe nas redes sociais:

07-08-2019

Para evitar a recuperação de peso após uma perda inicial, a quantidade de exercício exigido é maior, sendo necessários 200 a 300 minutos por semana, em decorrência da redução do metabolismo basal após o emagrecimento.
Compartilhe nas redes sociais:

31-07-2019

Para indução de perda de peso, o que importa é a restrição calórica, independentemente do tipo de macronutriente (carboidrato vs gordura vs proteína) a ser restringido!
Compartilhe nas redes sociais:

24-07-2019

Existe efeito rebote com as medicações para tratamento da obesidade? Por se tratar de uma doença crônica e com tendência à recidiva, a instituição da terapia farmacológica aumenta a chance de sucesso do tratamento no longo prazo em indivíduos com pobre resposta às mudanças no estilo de vida. Considerando que estas medicações não atuam de forma irreversível no organismo, a suspensão das mesmas favorece, ao longo do tempo, o aumento da ingestão alimentar com recidiva do peso perdido. Por isso, o uso de fármacos para tratamento da obesidade costuma ser mantido no longo prazo, sob supervisão periódica do médico especialista.
Compartilhe nas redes sociais:

17-07-2019

Estima-se que 15 a 30% da população adulta apresenta gordura no fígado, podendo chegar a 50% em pacientes com diabetes tipo 2 e a 90% em pacientes com obesidade. E o problema, infelizmente, não se restringe apenas aos adultos: é estimado que cerca de 10% das crianças acima do peso apresentem gordura no fígado! O principal tratamento continua sendo a perda de peso: uma perda de apenas 3 a 5% é capaz de melhorar a infiltração de gordura enquanto uma perda superior a 10% é capaz de melhorar a inflamação hepática!
Compartilhe nas redes sociais:

10-07-2019

Esteroides anabolizantes são derivados sintéticos da testosterona utilizados com o objetivo de aumentar a massa e a força musculares. Apresentam como principais efeitos adversos: 1. Aumento do colesterol ruim e diminuição do colesterol bom; 2. Maior risco de tromboses e embolias; 3. Risco aumentado de infarto cardíaco, arritmias e morte súbita; 4. Câncer de fígado. Em homens, os principais efeitos indesejáveis são acne, aumento das mamas (ginecomastia), redução do tamanho e do funcionamento dos testículos, impotência sexual, infertilidade, aumento da próstata e calvície. Já em mulheres, acne, aumento do clitóris, irregularidade na menstruação, infertilidade, engrossamento da voz e rouquidão (irreversível), atrofia das mamas e calvície são os paraefeitos mais comuns.
Compartilhe nas redes sociais:

03-07-2019

A proteína em si não é um suplemento ergogênico! Isso significa que não basta apenas ingerir proteínas (sejam elas oriundas da dieta ou de suplementos) para ganho de massa muscular. A proteína serve como substrato para otimizar o ganho de massa muscular mediante uma série de estímulos, dentre eles, o exercício resistido (musculação). Além disso, para otimização da síntese proteica, é necessário o fracionamento das proteínas (dietéticas ou suplementadas) em 3 a 4 porções ao dia, em quantidades que variam entre 20 a 40 gramas por porção.
Compartilhe nas redes sociais:

26-06-2019

Você sabe a diferença entre fome e vontade de comer? Fome é uma resposta fisiológica à falta de alimento e vontade de comer é o desejo por determinados alimentos. Muitas situações podem desencadear a vontade de comer mesmo que você tenha acabado de fazê-lo. Se você estiver com sensação de fome mas seletiva em relação ao que comer, questione se é fome de fato ou vontade de comer. A vontade de comer é um sentimento que precisa de controle, assim como as demais vontades que sentimos diariamente por muitas outras coisas.
Compartilhe nas redes sociais:

19-06-2019

Quão ativo você está? Uma forma de estimar o nível de atividade física de uma pessoa é através do número de passos que ela dá por dia. Dessa forma, indivíduos com menos do que 5000 passos/dia são considerados sedentários, aqueles com 5000 a 7500 passos/dia como pouco ativos e aqueles com mais do que 10000 passos/dia como fisicamente ativos!
Compartilhe nas redes sociais:

13-06-19

Para cada redução de 1 kg, a pressão sistólica reduz em média 1 a 2,4 mmHg. Uma redução de 2 mmHg na pressão sistólica está associada a uma redução na mortalidade por AVC de 10%! Ainda, para cada redução de 1 kg ocorre uma redução de 16% no risco de diabetes tipo 2!
Compartilhe nas redes sociais:

23-05-19

Mulheres tentando engravidar, gestantes e mulheres que estão amamentando não devem receber nenhuma medicação para perda de peso pelo risco de complicações para o bebê!
Compartilhe nas redes sociais:

16-05-2019

O estímulo visual desempenha um papel importante na ativação da vontade de comer. Portanto, evite passar por locais no mercado sabidamente repleto de alimentos pouco saudáveis. Além disso, ter um planejamento é fundamental durante o processo de perda e manutenção do peso. Portanto, faça uma lista de compras e evite ir ao mercado antes das refeições, pois a fome aumenta nossa probabilidade de fazer escolhas menos saudáveis.
Compartilhe nas redes sociais:

09-05-19

Pacientes com hipotireoidismo não tratado apresentam um acúmulo de ácido hialurônico e outras glicosaminoglicanas na pele, o que acarreta uma retenção hídrica generalizada. Em decorrência do excesso destas substâncias, pacientes com hipotireoidismo podem apresentar um ganho discreto de peso, geralmente não superior a 2 – 3 kg, correspondente à retenção hídrica (edema ou inchaço). Portanto, ter hipotireoidismo pode sim levar a um (discreto) ganho de peso. Entretanto, pacientes em tratamento adequado para o hipotireoidismo não apresentam maior dificuldade na perda de peso por serem portadores desta condição.
Compartilhe nas redes sociais:

03-05-2019

Como manter o peso no longo prazo? O maior grupo de pesquisa de indivíduos que conseguiram perder e manter o peso foi criado em 1994 na Universidade de Colorado / EUA. O objetivo deste grupo é identificar e investigar as características de indivíduos que obtiveram sucesso na perda de peso no longo prazo. Até o momento, mais de 10.000 indivíduos estão sendo analisados, com uma média de perda de 30 kg e manutenção desta perda por aproximadamente 5 anos. Quase dois terços destes indivíduos referiram redução do tempo em frente à TV para menos do que 10 horas por semana!
Compartilhe nas redes sociais:

26-04-2019

Conforme um dos maiores estudos sobre intervenções para prevenção do diabetes, para indivíduos com pré-diabetes, uma condição de alto risco de evolução para diabetes, houve uma redução de 16% no risco de progressão para doença para cada quilo de peso perdido! 
Compartilhe nas redes sociais:

19-04-2019

Estudos sobre a farmacocinética do álcool após a cirurgia para a perda de peso, o bypass gástrico, demonstram que o pico de concentração e a velocidade para que ocorra este pico são maiores após a cirurgia. Ainda, o tempo de retorno ao estado sóbrio é maior nestes indivíduos. Estas alterações, em conjunto, tornam os indivíduos submetidos ao procedimento mais suscetíveis aos efeitos danosos do álcool, mesmo após uma ingestão de doses consideradas seguras para indivíduos não submetidos à cirurgia.
Compartilhe nas redes sociais:

12-04-2019

Como está o sono do seu filho? Distúrbios na qualidade do sono ou no tempo de sono podem afetar o apetite e predispor ao surgimento da obesidade e do diabetes tipo 2. Conforme as recomendações do The National Sleep Foundation, um período de sono entre 8 a 11 horas é desejável para crianças e adolescentes.
Compartilhe nas redes sociais:
Pagina 2 de 12

  R. Dona Laura, 333/ 906, Moinhos de Vento - Porto Alegre/ RS  |     (51) 3517-2003  |     (51) 99600-2233  |    contato@endocrinologistamilene.med.br

© 2020 Dra. Milene Moehlecke. Desenvolvido por Informatiza Soluções Empresariais em parceria com a Agência Digital Public