(51) 3517-2003  |    (51) 99600-2233   |      contato@endocrinologistamilene.med.br   |   

Dica da Semana

Sub-categorias

23-05-19

23-05-19 (0)

Mulheres tentando engravidar, gestantes e mulheres que estão amamentando não devem receber nenhuma medicação para perda de peso pelo risco de complicações para o bebê!

Ver itens ...
30-05-19

30-05-19 (0)

Quanto tempo o corpo precisa para se acostumar ao novo peso? Embora a medicina seja uma ciência de verdades transitórias, o que podemos afirmar até o momento, baseado nos estudos de até 6 anos de acompanhamento após a perda de peso inicial é que as alterações hormonais responsáveis pelo aumento do apetite e pela redução do gasto energético parecem persistir ao longo do tempo, sem adaptação após determinado período. Por isso, a continuidade das estratégias aprendidas para perda de peso são fundamentais para manutenção do novo peso!! 

Ver itens ...
06-06-19

06-06-19 (0)

A realização regular de qualquer tipo de exercício reduz o risco de desenvolvimento de hipertensão arterial assim como auxilia na redução da pressão em pacientes em tratamento para a doença. Para indivíduos ativos, existe uma redução de 30% no risco de desenvolver hipertensão arterial em relação aos sedentários. Ainda, a prática regular de atividade física é capaz de reduzir desfechos cardiovasculares, como infarto do miocárdio, independente da perda de peso!

Ver itens ...

27-01-2017

A ingestão do glúten pode gerar dois tipos de doenças em indivíduos suscetíveis: de natureza autoimune, como a doença celíaca ou de natureza alérgica, com diferentes manifestações clínicas: alergia alimentar, respiratória ou urticária. Indivíduos que não apresentam estas doenças NÃO NECESSITAM RESTRINGIR O GLÚTEN DA ALIMENTAÇÃO! Portanto, não embarque nesse modismo de dietas sem glúten para perda de peso!
Compartilhe nas redes sociais:

20-01-2017

A atividade física contribui para a redução do risco de fratura de duas formas principais: 1. O impacto do exercício (caminhada, dança, corrida) é capaz de aumentar a densidade mineral óssea, preservando assim a massa óssea; 2. A atividade física regular pode ajudar a prevenir as quedas que ocorrem devido a alterações do equilíbrio e da diminuição da força muscular e da resistência, que comumente ocorrem com a idade.
Compartilhe nas redes sociais:

13-01-2017

Apesar de amplamente divulgada no meio leigo como substância termogênica, não há estudos avaliando o efeito da canela sobre o gasto calórico em humanos!
Compartilhe nas redes sociais:

06-01-2017

Todos os adultos assintomáticos, de qualquer idade, com índice de massa corporal (IMC) acima de 25 kg/m² e mais um fator de risco (1. Parentes de primeiro grau com diabetes; 2. Diabetes gestacional; 3. Hipertensão arterial; 4. Sedentarismo; 5. Síndrome dos ovários policísticos; 6. Doença cardiovascular; 7. HDL (colesterol bom) baixo e/ou triglicerídeos elevados) devem realizar exames para investigação de diabetes tipo 2. Além disso, indivíduos com mais de 45 anos, também devem fazer avaliação.
Compartilhe nas redes sociais:

30-12-2016

Pacientes com sobrepeso ou obesidade e com diabetes tipo 2 recentemente diagnosticado com níveis de glicemia de jejum abaixo de 150 mg/dl conseguem normalizar os níveis glicêmicos com uma perda de 10 kg do peso inicial (equivalente a aproximadamente 15% do peso)!
Compartilhe nas redes sociais:

16-12-2016

Aproximadamente um terço das mulheres com peso adequado antes da gestação e 64% das mulheres com excesso de peso ganham mais peso do que deveriam durante a gestação! O ganho excessivo de peso na gestação aumenta em 2 a 3 vezes o risco de retenção do peso no pós-parto e dessa forma aumentando o risco para o desenvolvimento de sobrepeso e obesidade. Procure um acompanhamento especializado quando estiver pensando em engravidar para uma reeducação alimentar antes, durante e após o parto!
Compartilhe nas redes sociais:

09-12-2016

O uso de hCG (gonadotrofina coriônica humana) não tem nenhuma utilidade para o tratamento do excesso de peso. Além de não levar ao emagrecimento, seu uso pode aumentar o risco de trombose, acidente vascular cerebral, síndrome de hiperestimulação ovariana, dentre outros.
Compartilhe nas redes sociais:

02-12-2016

Pacientes com obesidade devem ter acompanhamento em longo prazo com especialistas experientes no seu tratamento, na maior parte das vezes associado à medicação, pois a obesidade é uma doença crônica que tende a recorrer após a perda de peso!
Compartilhe nas redes sociais:

25-11-2016

Paciente com índice de massa corporal (IMC) maior ou igual a 45 kg/m² apresentam uma diminuição da expectativa de vida e um aumento da mortalidade por causa cardiovascular que pode chegar a 190%
Compartilhe nas redes sociais:

18-11-2016

O uso de óleo de coco para emagrecimento não tem qualquer evidência científica nem mesmo mecanismo fisiológico plausível! Além disso, o óleo de coco é rico em gordura saturada, um tipo de gordura não saudável que pode elevar os níveis de colesterol e predispor ao surgimento de doença aterosclerótica e diabetes.
Compartilhe nas redes sociais:

11-11-2016

Você sabe qual o risco do seu filho(a) de ser um adulto obeso? Considerando apenas a influência genética, se nenhum dos pais for obeso, o risco é de 9%. Se um dos pais for obeso, o risco aumenta para 50% e se ambos, pai e mãe, estiverem acima do peso, o risco sobe para 80%! Por isso a importância de um ambiente saudável, que propicie a prática de atividade física e de uma alimentação saudável, para minimizar o risco, mesmo quando a influência genética for significativa.
Compartilhe nas redes sociais:

04-11-2016

A absorção da levotiroxina (medicação usada para quem tem hipotireoidismo) aumenta com o baixo pH do estômago e em jejum. A medicação deve ser ingerida com um jejum matinal de 30 minutos. Entretanto, estudos recentes têm mostrado que a medicação pode ser ingerida à noite, antes de deitar, desde que o paciente mantenha um intervalo de pelo menos 2 horas entre a última refeição e a ingestão do comprimido.
Compartilhe nas redes sociais:

26-10-2016

Conforme estudos mais recentes, o aumento da circunferência da cintura, independentemente do peso, está associado a um maior risco de câncer de mama (variando entre 5 a 9% a mais de risco para cada aumento de 10 cm na cintura), tanto em mulheres em idade reprodutiva, quanto naquelas que já entraram na menopausa!
Compartilhe nas redes sociais:

19-10-2016

Mães que engravidam acima do peso apresentam maior risco de complicações perinatais, como recém nascidos pesando mais do que 4 kg, maior necessidade de internação em Unidade de Cuidados Intensivos, maior necessidade de cesariana, maior risco de natimorto (recém nascido sem vida)! O risco destas complicações aumenta linearmente conforme o índice de massa corporal (IMC) antes da gestação! Portanto, comece uma reeducação alimentar associada à atividade física se você está pensando em engravidar!
Compartilhe nas redes sociais:

12-10-2016

Até 20% dos pacientes submetidos à cirurgia bariátrica (cirurgia de redução do estômago) apresentam reganho do peso!! O principal motivo é a não adesão à reeducação alimentar e à atividade física no longo prazo após a cirurgia!!
Compartilhe nas redes sociais:

07-10-2016

O tratamento da obesidade deve alicerçar-se num tripe: 1. Reeducação alimentar; 2. Atividade física; 3. Mudança comportamental. A adição de tratamento farmacológico visa potencializar tais medidas. A medicação não funciona sozinha!!
Compartilhe nas redes sociais:

30-09-2016

Reeducação alimentar associada à atividade física é capaz de reduzir o risco de diabetes gestacional em até 22% quando iniciada antes de 15 semanas de idade gestacional!
Compartilhe nas redes sociais:

23-09-2016

Para pacientes com diabetes tipo 2, o melhor momento para a realização de atividade física é cerca de 30 minutos após uma refeição, quando a glicose ingerida será utilizada como substrato energético, evitando o aumento da glicose após a refeição (hiperglicemia pós-prandial)
Compartilhe nas redes sociais:

16-09-2016

Múltiplos tratamentos têm sido estudados para pacientes com doença hepática gordurosa não alcoólica. A perda de peso, entretanto, permanece como a única terapia com evidência suficiente de benefício!
Compartilhe nas redes sociais:

09-09-2016

A Síndrome dos ovários policísticos é um dos distúrbios hormonais mais comuns em mulheres, acometendo entre 6 a 8% das mulheres. Caracteriza-se clinicamente por alterações no ciclo menstrual (ausência de menstruação ou ciclos irregulares) e sinais de excesso de hormônios masculinos (aumento de pêlos, calvície, oleosidade em excesso e acne)
Compartilhe nas redes sociais:
Pagina 8 de 11

  R. Dona Laura, 333/ 906, Moinhos de Vento - Porto Alegre/ RS  |     (51) 3517-2003  |     (51) 99600-2233  |    contato@endocrinologistamilene.med.br

© 2019 Dra. Milene Moehlecke. Desenvolvido por Informatiza Soluções Empresariais em parceria com a Agência Digital Public