(51) 3517-2003  |    (51) 99600-2233   |      contato@endocrinologistamilene.med.br   |   

Dica da Semana

Sub-categorias

23-05-19

23-05-19 (0)

Mulheres tentando engravidar, gestantes e mulheres que estão amamentando não devem receber nenhuma medicação para perda de peso pelo risco de complicações para o bebê!

Ver itens ...
30-05-19

30-05-19 (0)

Quanto tempo o corpo precisa para se acostumar ao novo peso? Embora a medicina seja uma ciência de verdades transitórias, o que podemos afirmar até o momento, baseado nos estudos de até 6 anos de acompanhamento após a perda de peso inicial é que as alterações hormonais responsáveis pelo aumento do apetite e pela redução do gasto energético parecem persistir ao longo do tempo, sem adaptação após determinado período. Por isso, a continuidade das estratégias aprendidas para perda de peso são fundamentais para manutenção do novo peso!! 

Ver itens ...
06-06-19

06-06-19 (0)

A realização regular de qualquer tipo de exercício reduz o risco de desenvolvimento de hipertensão arterial assim como auxilia na redução da pressão em pacientes em tratamento para a doença. Para indivíduos ativos, existe uma redução de 30% no risco de desenvolver hipertensão arterial em relação aos sedentários. Ainda, a prática regular de atividade física é capaz de reduzir desfechos cardiovasculares, como infarto do miocárdio, independente da perda de peso!

Ver itens ...

07-09-2017

Como manter a perda de peso no longo prazo? É sabido que o gasto calórico diário (ou gasto energético diário) reduz após a perda de peso, facilitando o reganho de peso no médio e longo prazo. Por isso, indivíduos que perderam peso devem realizar aproximadamente 60 minutos de exercício por dia, idealmente 5 vezes por semana, para manutenção do peso!
Compartilhe nas redes sociais:

31-08-2017

Para indivíduos com IMC* entre 25 a 35 kg/m² a medida da circunferência da cintura pode fornecer uma informação adicional do risco cardiometabólico. Indivíduos com aumento da circunferência abdominal (obesidade abdominal ou visceral) estão em maior risco de doença arterial coronariana, diabetes, hipertensão arterial, dislipidemia e doença gordurosa do fígado não alcoólica. *IMC (kg/m²) = índice de massa corporal corresponde ao peso (kg) dividido pela altura (m) ao quadrado
Compartilhe nas redes sociais:

24-08-2017

O excesso de peso está associado à redução da fertilidade (chance de engravidar) e a maiores taxas de perda fetal (aborto) espontânea. Portanto, se você está pensando em engravidar e está acima do peso, comece um programa de reeducação alimentar com vistas ao controle do peso antes de engravidar.
Compartilhe nas redes sociais:

17-08-2017

O leite e seus derivados constituem uma importante fonte de proteínas, vitaminas e minerais, sendo a principal fonte alimentar de cálcio, um mineral fundamental para a saúde óssea. As proteínas do leite são de alto valor biológico, ou seja, contêm todos os aminoácidos essenciais ao organismo (os que não conseguimos produzir no nosso corpo), além de ser um alimento extremamente sacietógeno, contribuindo para a manutenção de um peso saudável.
Compartilhe nas redes sociais:

10-08-2017

Você sabia que aproximadamente 30% das pessoas que perdem peso o recuperam ao final de um ano de tratamento? O principal preditor de manutenção do peso perdido após qualquer intervenção (dieta ou cirurgia) é a preservação da massa muscular durante e após a intervenção! Não importa se a perda de peso foi rápida ou lenta. A velocidade de perda de peso não é preditora de reganho de peso e sim a manutenção da massa magra!
Compartilhe nas redes sociais:

03-08-2017

Você sabia que, entre as mudanças no estilo de vida capazes de reduzir a pressão arterial, a perda de peso é a intervenção com maior impacto? Para cada 10 kg de peso perdido, a pressão arterial sistólica pode reduzir entre 5 a 20 mmHg!
Compartilhe nas redes sociais:

27-07-2017

Você sabia que a doença hepática gordurosa não alcoólica, mais conhecida como gordura no fígado, acomete 20 a 40% da população? E atualmente representa uma das principais causas de insuficiência hepática e câncer de fígado! E qual seria a intervenção mais efetiva para tratar esta condição? Uma redução de apenas 10% do peso com reeducação alimentar e atividade física é suficiente para reverter esta condição na maioria dos casos!
Compartilhe nas redes sociais:

21-07-2017

Você já ouviu esta frase: "O que importa é perder peso devagar e sempre!"? Pois é, trata-se de mais um mito sobre emagrecimento! Pequenas mudanças na ingestão alimentar ou no gasto calórico produzem efeitos no curto prazo. Entretanto, após alguns meses, o organismo tende a se adaptar às mudanças de forma a dificultar a perda de peso no médio e longo prazos!!
Compartilhe nas redes sociais:

13-07-2017

Você sabia que existe uma redução no gasto energético de aproximadamente 15 kcal por kg de peso perdido após uma intervenção para perda de peso? Isso significa que uma pessoa que emagreceu 10 kg apresenta uma redução de 150 kcal no seu gasto calórico diário! A combinação de reeducação alimentar associada à prática regular de atividade física é capaz de atenuar essa redução do gasto calórico durante e após a perda de peso!
Compartilhe nas redes sociais:

06-07-2017

Atividade física representa a principal ferramenta que pode ser usada para manutenção do gasto calórico após a perda de peso!
Compartilhe nas redes sociais:

29-06-2017

Uma alimentação inadequada constitui o principal agente ambiental contribuinte para o surgimento da obesidade, com a redução da atividade física em segundo lugar. Alimentos ricos em açúcar e gordura, normalmente de baixo custo e menor perecibilidade, podem ativar os chamados centros de prazer do cérebro, assim como substâncias de abuso o fazem, estimulando comportamentos de recompensa ao comer!
Compartilhe nas redes sociais:

22-06-2017

Você sabia que dormir mal (sono não reparador) ou poucas horas de sono podem contribuir para o ganho de peso? Os principais mecanismos envolvidos incluem o aumento do apetite e a redução da saciedade!
Compartilhe nas redes sociais:

15-06-2017

Homens com obesidade apresentam uma redução na concentração de espermatozoides (podendo ser até 4 vezes menor comparada a homens com peso adequado) assim como uma redução da motilidade (movimentação) dos mesmos no sêmen, culminando em menores chances de fertilização! Felizmente, estas alterações costumam ser reversíveis com a perda de peso!
Compartilhe nas redes sociais:

09-06-2017

Perder peso rapidamente não aumenta o risco de reganho rápido! Isto é um mito, ou seja, uma crença sem embasamento científico!
Compartilhe nas redes sociais:

02-06-2017

Você sabia que o excesso de peso antes da gestação é capaz de modificar a genética do seu bebê de forma a torná-lo mais predisposto ao desenvolvimento de obesidade, diabetes tipo 2 e doença coronariana? Então, se você está pensando em engravidar, planeje-se antes e faça um programa de reeducação alimentar para controle do peso!
Compartilhe nas redes sociais:

26-05-2017

Você sabia que pessoas que tomam café da manhã regularmente possuem em média um peso menor do que pessoas que pulam essa refeição? Além disso, o hábito de tomar café da manhã está associado a melhores indicadores de saúde, como menores níveis de colesterol, pressão arterial, menor risco de diabetes tipo 2 e doença coronariana.
Compartilhe nas redes sociais:

19-05-2017

Porque é tão difícil manter o peso perdido após uma dieta bem sucedida? Conforme estudos recentes, para cada quilo de peso perdido, existe um aumento da ingestão calórica de aproximadamente 100 kcal. Isso ocorre em decorrência das adaptações metabólicas do organismo em resposta à perda de peso. Portanto, após a fase de perda de peso, é tão ou mais importante, manter a vigilância no consumo alimentar e um gasto calórico significativo para sobrepor tais limitações impostas pelo organismo!
Compartilhe nas redes sociais:

12-05-2017

Para indivíduos com doença coronariana estabelecida, flutuações no peso ao longo dos anos estão associadas a maior risco de novo evento coronariano e morte (aumento entre 4 a 9% para cada ganho de 1,5 a 1,9 kg), independente dos demais fatores de risco. Variações significativas no peso também elevam o risco de diabetes tipo 2, em média, 8%.
Compartilhe nas redes sociais:

05-05-2017

Para indivíduos acima de 65 anos, um programa de perda de peso associado a exercícios aeróbicos e exercícios resistidos é superior à dieta associada a cada modalidade de exercício isoladamente em relação à preservação da massa magra, da força muscular e do ganho de massa óssea.
Compartilhe nas redes sociais:

28-04-2017

A propaganda e a comercialização de lanches não saudáveis (tipo fast foods) e refrigerantes entre crianças e adolescentes aumenta a ingestão calórica (cerca de 30 kcal a mais) e a preferência por estes alimentos de pobre valor nutritivo e alta densidade energética! Os estudos indicam que o apelo da indústria alimentícia sobre este público (crianças e adolescentes entre 2 a 18 anos) aumentou a ingestão de calorias e a preferência dietética durante ou logo após a exposição à propaganda
Compartilhe nas redes sociais:
Pagina 7 de 12

  R. Dona Laura, 333/ 906, Moinhos de Vento - Porto Alegre/ RS  |     (51) 3517-2003  |     (51) 99600-2233  |    contato@endocrinologistamilene.med.br

© 2020 Dra. Milene Moehlecke. Desenvolvido por Informatiza Soluções Empresariais em parceria com a Agência Digital Public