(51) 99600-2233   |      contato@endocrinologistamilene.med.br   |   

Artigos

Terça, 13 Outubro 2020 06:56

Entenda a relação entre hiperglicemia e zumbido Destaque

Avalie este item
(4 votos)

O zumbido é uma queixa frequente no consultório, acometendo entre 10 a 15% da população em geral, especialmente indivíduos a partir dos 40 anos.

O zumbido pode ter origem em qualquer estrutura do sistema auditivo, acometendo principalmente a cóclea. Na maioria dos casos, os ruídos aparecem como consequência de um processo de perda auditiva, mas podem ser causados pelos mais variados problemas de saúde e hábitos de vida.

A glicose tem grande influência como um dos principais elementos na manutenção da atividade funcional da orelha interna, sendo particularmente sensível a pequenas variações nos níveis plasmáticos de glicose e de insulina. Dessa forma, alterações no metabolismo da glicose podem comprometer o adequado funcionamento das células da audição e do equilíbrio, resultando em zumbido, tonturas, dentre outros.

Importante ressaltar que estes sintomas podem surgir em pacientes com pré-diabetes, uma condição de elevado risco de progressão para o diabetes.

Já pacientes com diagnóstico instalado de diabetes podem ter sintomas auditivos também em decorrência da neuropatia diabética.

Além das alterações no metabolismo da glicose, alterações no perfil lipídico e da pressão arterial também podem contribuir para o comprometimento vascular e a redução do fluxo sanguíneo coclear.

Por isso, quando a causa presumida do zumbido é metabólica, o tratamento deve ser direcionado à correção dos fatores precipitantes: controle da hiperglicemia / hiperinsulinemia, assim como do perfil lipídico e da pressão arterial. Nestes casos, a adoção de uma dieta pobre em açúcares refinados e gorduras combinada à prática regular de exercícios físicos está associada a melhora clínica significativa na maioria dos pacientes. Quanto mais precoce for a correção das alterações metabólicas, principalmente antes da instalação do diabetes, maior a chance de resposta ao tratamento!
 
 

Referência

Tinnitus. Lancet. 2013 Nov 9;382(9904):1600-7.

Compartilhe nas redes sociais:
Lido 137 vezes Última modificação em Segunda, 02 Novembro 2020 22:00

  R. Dona Laura, 333/ 906, Moinhos de Vento - Porto Alegre/ RS  |     (51) 99600-2233  |    contato@endocrinologistamilene.med.br

© 2021 Dra. Milene Moehlecke. Desenvolvido por Informatiza Soluções Empresariais em parceria com a Agência Digital Public